EDUCAÇÃO ESPECIAL: SABERES E ESTRATÉGIAS DOS PROFESSORES DE
EDUCAÇÃO INFANTIL

Nome: Aparecida Souza França Silva
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 31/03/2021
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Rita de Cassia Cristofoleti Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Douglas Christian Ferrari de Melo Orientador
Isabel Matos Nunes Orientador
Rita de Cassia Cristofoleti Orientador

Resumo: A Educação Infantil, como a primeira etapa de ensino da Educação Básica, se torna
e se constitui como importante elemento que colabora para o desenvolvimento da
criança. Para tanto, o espaço escolar passa a ser um lugar propício para refletir-se
sobre o desenvolvimento e a formação humana. A pesquisa teve como objetivo
pesquisar e problematizar sobre os saberes e as estratégias dos professores de
Educação Infantil, na área da Educação Especial, e como estes saberes orientam e
organizam suas práticas em sala de aula. Como opção teórica e metodológica,
optamos pela perspectiva histórico-cultural de desenvolvimento humano elaborada
por Vigotski. A compreensão das práticas pedagógicas e sua influência no
desenvolvimento das crianças, público-alvo da Educação Especial, pautou os
estudos de Vigotski e seus colaboradores sobre a defectologia, no início do século
XX. Nesse sentido, a pesquisa é de natureza qualitativa e utilizou como
procedimento para a coleta de dados a realização de grupo focal. As participantes
da pesquisa foram as professoras, as pedagogas e a diretora de uma instituição
pública de Educação Infantil, da cidade de Pedro Canário, ES. Os dados coletados
foram organizados em cinco categorias, com o título: Saberes e estratégias no
cotidiano escolar e subtítulos: 1) As implicações das experiências, valores e crenças
do fazer pedagógico; 2) As dificuldades e necessidades advindas das relações de
ensino; 3) O que penso sobre os diagnósticos e laudos; 4) O uso de metodologias
como contribuição para o desenvolvimento social e humano dos alunos; 5) A
atuação profissional para o processo de formação humana. Para tanto, constatou-se
que o direcionamento para trilhar os caminhos alternativos, que nos ensina Vigotski,
se movimenta em via dupla, do aluno com deficiência para professor e vice-versa.
Dessa forma, toda vez que se propõe oferecer as condições necessárias ao acesso
do aluno, seja este aluno com deficiência ou não, também se promove o acesso
para o professor. Desse modo se estabelece a compensação sociopsicológica para
ambos, um pode ser o fio condutor do outro, pois é neste acontecimento que
emanam as possibilidades, os indicativos para o processo de ensinar e aprender.
Qual será o tempo disponibilizado para este feito? Entende-se que a pesquisa gerou
fortes indícios em relação à importância da formação inicial e continuada dos
profissionais e o aprimoramento na qualidade das relações sociais, bem como, a
necessidade de maior investimento/envolvimento no trabalho colaborativo, o ampliar
das discussões acerca dos laudos e a valorização dos professores. Espera-se que
os dados produzidos neste estudo sejam importantes sinalizadores para possíveis
investimentos e melhorias em favor da Educação Especial, haja vista que ecoaram
de pares que são constituintes/participantes neste processo de construção da
Educação Especial.
Palavras-Chave: Práticas pedagógicas; Educação Infantil; Educação Especial.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Rodovia Governador Mário Covas, Km 60 - Bairro Litorâneo, São Mateus - ES | CEP 29932-540